Pé diabético

Quais são os sintomas?


ASSIM COMO O DIABETES, QUE MUITAS VEZES É UMA DOENÇA SILENCIOSA, TAMBÉM SE COMPORTAM OS QUADROS DE PÉS DIABÉTICOS. OS PÉS PODEM APRESENTAR-SE MUITO RESSECADOS. A PERDA DE SENSIBILIDADE PROGRESSIVA, QUANDO NAO PERCEBIDA E CUIDADA, PODE LEVAR AO APARECIMENTO DE FERIDAS, MUITAS VEZES RELACIONADAS AO USO DE CALÇADOS APERTADOS, DESCONFORTAVEIS E POUCO ACOLCHOADOS. POR NÃO SENTIR DOR, O PACIENTE PERSISTE NO HABITO E USO DO CALÇADO INAPROPRIADO, LEVANDO À LESÃO. EM SITUAÇÕES MAIS GRAVES, INFECÇÕES PROFUNDAS PODEM ESTAR PRESENTES NA AVALIAÇÃO INICIAL.

O que pode ajudar a prevenir?


ATIVIDADES FISICAS REGULARES, COM FORTALECIMENTO DOS MÚSCULOS DAS PERNAS. CAMINHADAS SÃO ÓTIMOS EXERCÍCIOS. É RECOMENDAVEL O ACOMPANHAMENTO POR PROFISSIONAL CAPACITADO. - MANTER A FORMA FÍSICA E TER UMA ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E HÁBITO INTESTINAL REGULAR. - MOVIMENTAR-SE! EVITANDO PERMANECER SEM MOVIMENTAÇÃO POR MUITO TEMPO QUANDO EM POSIÇÃO EM PÉ OU SENTADA.

O que pode ajudar a prevenir?


O CONTROLE RIGOROSO DO DIABETES É FUNDAMENTAL, E EVITA A PROGRESSÃO DAS ALTERAÇÕES. O ACOMPANHAMENTO MULTIPROFISSIONAL É MUITO IMPORTANTE E DEVE INCLUIR O MEDICO ENDOCRINOLOGISTA. O CUIDADO COM OS PÉS DEVE SER INCLUÍDO NA ROTINA DIÁRIA! INCLUEM CUIDADOS COM A LIMPEZA, SECAGEM, HIDRATAÇÃO DOS PÉS, ALÉM DA OBSERVAÇÃO DO SURGIMENTO DE CALOS E LESÕES. O CALÇADO DEVE SER ESPAÇOSO E BEM ACOLCHOADO! NÃO HÁ ESPAÇO PRA O CIGARRO! DEVEMOS SEMPRE COMBATER ESTE HÁBITO E OFERECER TRATAMENTO

Como é feito a avaliação?


ALÉM DA AVALIAÇÃO CLINICA GLOBAL DO PACIENTE DIABETICO, VERIFICA-SE O ESTADO DA CIRCULAÇÃO NOS PÉS E DEVE-SE PESQUISAR OBSTRUÇÕES DAS ARTERIAS. SÃO PESQUISADAS REDUÇÕES DA SENSIBILIDADE TÁTIL, CALOSIDADES, ALTERAÇÕES ÓSSEAS DOS PÉS, PRESENÇA DE FERIDAS E SINAIS DE POSSÍVEL INFECÇÃO.

Como é feito o tratamento?


O MELHOR TRATAMENTO É A PREVENÇÃO. NUNCA ESQUECER O CONTROLE RIGOROSO DO DIABETES E OS CUIDADOS DIARIOS COM OS PÉS. QUANDO HÁ OBSTRUÇÕES DAS ARTÉRIAS PODE SER NECESSARIO TRATAMENTO ATRAVÉS DE CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO OU ANGIOPLASTIA ENDOVASCULAR. AS ALTERAÇÕES ÓSSEAS PODEM SER ACOMPANHADAS POR ORTOPEDISTA ESPECIALIZADO. EM CASOS GRAVES ASSOCIADOS A INFECÇÃO, A INTERNAÇÃO HOSPITALAR É NECESSARIA, BEM COMO ANTIBIOTICOTERAPIA E EM MUITOS CASOS, CIRURGIA.

Há necessidade de cirurgia? Quais são os riscos?


A CIRURGIA É MAIS INDICADA EM SITUAÇÕES DE MAIOR GRAVIDADE, QUANDO A INFECÇÃO SE APROFUNDOU E ATINGIU TENDÕES E ATÉ MESMO OSSO. PARA DEFINIR A EXTENSÃO E GRAVIDADE, EXAMES COMO RADIOGRAFIA E RESSONANCIA SÃO IMPORTANTES. POR SEREM TECIDOS POUCO VASCULARIZADOS, ONDE A INFECÇÃO DIFICILMENTE CEDE SÓ COM ANTIBIOTICOS, SUA LIMPEZA CIRURGICA SE FAZ NECESSARIA EM MUITOS CASOS. HÁ SITUAÇÕES ONDE SOMENTE UMA AMPUTAÇÃO (MAIS FREQUENTEMENTE DO DEDO OU PARTE DO PÉ) É CAPAZ DE REALIZAR ESTA LIMPEZA E IMPEDIR A INFECÇÃO DE SE PROPAGAR AINDA MAIS. O TEMPO É FATOR ESSENCIAL, E QUANTO MAIS PRECOCE A ABORDAGEM, MAIOR A CHANCE DE RESOLUÇÃO E REABILITAÇÃO.